Profª. Adriana Calvo - Direito do Trabalho
ÁREA RESTRITA A ALUNOS
Facebook
Twitter
Youtube
Busca

Notícias

Caixa Federal condenada a indenizar por dano moral causado a gerente de agência
14/03/2007
Arquivo Notícias
Comprovado o dano moral sofrido por ex-gerente da Caixa Econômica Federal, a 3ª Turma do TST negou provimento a agravo da instituição. A decisão manteve a indenização fixada em 40 mil reais pelo TRT da 9ª Região (Paraná).

O relator do agravo no TST, juiz convocado Ricardo Machado, afirmou que o Regional decidiu com base no conjunto de provas e "por entender provada a conduta patronal violadora da dignidade do trabalhador".

Cláudio Caetano de Faria ingressou na Caixa em 1982 como auxiliar de escritório e no ano seguinte foi nomeado gerente de núcleo, ocupando depois diversas funções durante os mais de 20 anos de serviços prestados à CEF.

Afirmou que foi dispensado sumariamente da função de gerente-geral, no ano de 2002, acusado de "possíveis irregularidades na conta-corrente de uma pessoa jurídica, sendo abruptamente transferido para outra agência". Juntou ainda atestado médico declarando que sofreu sérios problemas psíquicos em razão da retaliação sofrida no banco.

Na Vara do Trabalho, Claudio pediu reparação por dano moral, alegando injusta destituição da função, por receber, ainda, penalidades administrativas, advertência de forma arbitrária e sem direito a defesa.

A sentença de primeiro grau acolheu o pedido do empregado e considerou abusivos os atos da empregadora, principalmente por não permitir a defesa do empregado. Reconheceu que "não remanescem dúvidas de que as medidas decorreram do arrolamento do empregado em processo administrativo com cunho punitivo", e que nenhuma das acusações foram comprovadas.

A Caixa contestou a reclamação e alegou que a alteração no contrato do gerente decorreu do poder diretivo garantido por lei aos patrões, negando qualquer ofensa ao patrimônio moral do empregado.

O TRT/PR não acolheu o recurso da CEF e manteve a sentença da Vara do Trabalho. "Relativamente ao quadro fático, examinando a prova colhida, notabiliza-se a existência de sólida evidência do profundo abalo psíquico sofrido pelo empregado". Segundo o Regional, o atestado médico diagnosticou depressão, angústia, abalo de auto-estima e sentimentos mórbidos.

No TST, ao negar provimento ao agravo do banco, o relator ressaltou que o TRT-PR decidiu com base no conjunto probatório, e por isso, manteve a condenação em dano moral.

O advogado Antonio Saviani da Silva atuou em nome do gerente. (AIRR nº 1601/2005-018-09-40.6)
Fonte: TST
Calvo e Fragoas Advogados
MATRIZ
Edifício Metrópolis
Itapecuru 645 - sala 1325
Alphaville Industrial Barueri SP CEP 06454-080
Tel: 11 4195-8130
FILIAL
Av. Paulista 726, 17º Andar, Cj. 1707-D
Bela Vista São Paulo SP CEP 01310-910
Tel: 11 3254-7516
Fax: 11 3254-7628
Powered By Vexxo