Profª. Adriana Calvo - Direito do Trabalho
ÁREA RESTRITA A ALUNOS
Facebook
Twitter
Youtube
Busca

Notícias

Mesmo fora do expediente, luta no local de trabalho dá justa causa
18/04/2006
Arquivo Notícias
Para a 4ª Turma do TRT da 2ª Região (SP), a luta corporal entre empregados nas dependências da empresa, mesmo que ocorra fora do expediente, é justa causa para a demissão dos envolvidos. Este foi o entendimento firmado no julgamento do recurso ordinário de um ex-empregado do Restaurante Gauchinho Grill Ltda.

O trabalhador ajuizou processo na 49ª Vara do Trabalho de São Paulo tentando converter sua demissão por justa causa e receber as verbas e indenizações devidas na dispensa sem motivo.

De acordo com o reclamante, após desentender-se com colega de serviço em um "baile", eles se reencontraram no alojamento da churrascaria onde estavam hospedados e travaram luta corporal. Para o ex-empregado, a briga não poderia justificar a demissão pois ocorreu fora do horário de expediente e não trouxe prejuízo ao empregador.

Segundo depoimento de uma testemunha ouvida no processo, os funcionários envolvidos na luta estavam embriagados e o reclamante atingiu o colega com uma faca.

O juiz da vara julgou o pedido improcedente. Inconformado, o ex-empregado da churrascaria recorreu ao TRT-SP, insistindo que uma desavença pessoal, fora do horário de serviço, não é falta grave que justifique demissão por justa causa.

Para o juiz Ricardo Artur Costa e Trigueiros, relator do recurso no tribunal, "considerando a prova oral produzida, não poderia mesmo a reclamada tolerar ofensas físicas de natureza grave que pudessem levar à morte seus empregados".

No entender do relator são "irrelevantes os motivos da briga e que esta tenha ocorrido fora do horário de expediente, se a prova patenteia que o conflito se passou no alojamento da empresa, e que o reclamante, armado com uma faca e embriagado, envolveu-se em luta corporal com colegas, também alcoolizados, provocando ferimentos num deles, além de danos patrimoniais".

"Diante da insofismável, eloqüente e irrefutável prova testemunhal carreada aos autos pela reclamada, tem-se por cabalmente comprovada a falta grave imputada ao reclamante", decidiu. Por unanimidade, os juízes da 4ª Turma mantiveram a dispensa por justa causa. (RO nº 02736.2003.049.02.00-9 - com informações do TRT-2).
Fonte: -
Calvo e Fragoas Advogados
MATRIZ
Edifício Metrópolis
Itapecuru 645 - sala 1325
Alphaville Industrial Barueri SP CEP 06454-080
Tel: 11 4195-8130
FILIAL
Av. Paulista 726, 17º Andar, Cj. 1707-D
Bela Vista São Paulo SP CEP 01310-910
Tel: 11 3254-7516
Fax: 11 3254-7628
Powered By Vexxo